"Adoro música. Me sinto feliz ouvindo boas canções. Se estou na merda, ponho Tom Waits, Bob Marley ou alguma coisa assim, e funciona como mágica. Nada se compara com o que você sente quando ouve música que te agrada. É um fenômeno único."
(Jason Newsted)

História

28 de Outubro de 1981, o baterista Lars Ulrich efetuou uma proposta ao vocalista e guitarrista James Hetfield, que este não pode recusar. Lars tinha a garantia que de um tema da sua banda poderia ser incluído numa compilação a ser editada pela Metal Blade, uma editora que estava então a ser formada por Brian Slagel. 

A primeira gravação de ambos foi feita com James Hetfield a desempenhar a função de vocalista, guitarrista e baixista, enquanto Lars se encarregava da bateria, de alguns arranjos e era também manager. James Hetfield convenceu o seu amigo e companheiro de apartamento Ron McGoveny a assegurar o baixo, enquanto Dave Mustaine entrou para a guitarra, após uma estranha audição.

Após Lars Ulrich ter “roubado” a Ron Quintana, um amigo de Bay Area, o Metallica deixou de fazer parte da ideia para a compilação de Ron e materializou-se numa das maiores bandas do mundo. Entraram para o circuito de concertos de Los Angeles, tendo chegado a efetuar as primeiras-partes de bandas como os Saxon. Gravaram a sua primeira demo, intitulada “No Life Til Leather”, que rapidamente se tornou num objeto de culto do underground musical, em especial em São Francisco e em Nova Iorque.

A banda decidiu mudar-se para São Francisco, até porque conheceram Cliff Burton, baixista dos Trauma, e decidiram que queriam trabalhar com ele. Uma vez que Cliff Burton se recusou a mudar-se para Los Angeles, os Metallica mudaram-se para São Francisco.


“No Life Til Leather” chegou às mãos de Jon Zazula, proprietário da loja de discos Metal Heaven. Este homem entrou em contato com os Metallica e convidou-os a irem à Nova Iorque dar alguns espetáculos e também gravar um disco. A banda aceitou o convite e foi para Nova Iorque num carro roubado. Entretanto, Dave Mustaine, revelava-se cada vez mais problemático. Poucas semanas após a chegada a Nova Iorque, foi despedido da banda. Mark Whitakker, roadie do grupo, sugeriu que fosse contratado Kirk Hammett, guitarrista dos Exodus, de São Francisco. Assim, Kirk Hammett foi contatado, apanhou um avião e, no dia 1 de Abril de 1983, foi recrutado como guitarrista dos Metallica.

“Kill ‘Em All”, o álbum de estreia dos Metallica, foi editado em 1983. Este disco deu origem a uma intensa turnê que fez disparar a reputação da banda nos Estados Unidos da América e na Europa.

Em 1984, os Metallica foram para Copenhaga, na Dinamarca, onde trabalharam com o produtor Flemming Rassmussen, nos Estúdios Sweet Silence, para a gravarem o seu segundo disco de originais. Surgiu assim “Ride The Lighthning”

Graças a este disco, os Metallica viram-se a braços com dois contratos marcantes: no Outono, assinaram um contrato de management com a reputada QPrime e um contrato discográfico com a Elektra.

Em 1985, os Metallica regressaram aos mesmos estúdios em Copenhaga para gravarem “Master of Puppets”, disco que foi misturado em Los Angeles por Michael Wagner. A edição ocorreu em 1986, e levou este disco entrar para o top 30 de vendas nos EUA. Os Metallica entraram em turnê com Ozzy Osbourne e viram a sua legião de fãs ser claramente incrementada.


No dia 27 de Setembro de 1986, algures na Suécia, o autocarro da banda despistou-se numa viagem noturna levando à morte de Cliff Burton.

Contudo, os Metallica sabiam que Cliff Burton não gostaria que eles abandonassem este projeto pelo fato de ele ter morrido. Assim, após um intenso período de luto, James Hetfield, Lars Ulrich e Kirk Hammett decidiram continuar.

Após mais de quarenta audições, o novo baixista foi selecionado. Jason Newsted, homem nascido no Michigan, e que era músico nos Flotsam & Jetsam.

Imediatamente após a entrada de Jason Newsted, os Metallica partiram em turnê e gravaram “Garage Days Revisited”, um EP que foi integralmente gravado na garagem de Lars Ulrich.

Já com Jason Newsted completamente integrado na banda, os Metallica entraram em estúdio para a gravação do seu quarto álbum de originais. “... And Justice For All” foi editado em Agosto de 1988, chegou ao sexto lugar nas tabelas de vendas dos EUA, foi nomeado para o Grammy de ‘Melhor álbum de Metal/Hard Rock’, e levou a banda a ser cabeça-de-cartaz da turnê “Monsters of Rock”, após a qual os Metallica efetuaram uma extensa turnê mundial.


A estreia foi assinalada com o vídeo para o tema “One”

1991 foi o ano que assistiu à edição do álbum homônimo dos Metallica, que, curiosamente, ficou mundialmente conhecido como “The Black Album”, pelo fato da capa ser negra. Este disco, que catapultou os Metallica para a dimensão da fama mundial, foi o primeiro a ser produzido por Bob Rock.

“The Black Album” apresentava-se ligeiramente diferente dos registros anteriores. As músicas eram mais curtas, o som mais rico e os arranjos mais simples. Este álbum entrou para primeiro lugar das tabelas de vendas em quase todo o mundo, onde permaneceu durante várias semanas, tendo vendido mais de 15 milhões de exemplares. Além de ter dado origem a diversos singles, este álbum recebeu um Grammy e um MTV American Music Award.


Graças a “The Black Album”, os Metallica estiveram em turnê durante cerca de três anos, tocando sozinhos na turnê ‘An Evening With Metallica’, dividindo o palco com os Guns N’roses na ‘Joint-Headline Stadium Tour’ e sendo cabeças-de-cartaz dos mais diversos festivais um pouco por todo o mundo.

Outono de 1993, os Metallica estavam completamente desgastados, tendo finalmente tirado umas férias e aproveitado para compatibilizarem a sua vida de músicos com as suas vidas pessoais.

Assim, passaram cerca de quatro anos até que fosse lançado um novo álbum de banda. “Load”, gravado nos estúdios The Plant, em Sausalito, na Califórnia, foi o mais longo álbum da banda até a data, uma vez que era constituído por 14 canções.

Este disco, novamente produzido por Bob Rock, apresentava um som mais coeso e temas mais soltos, poderosos e ecléticos.

As sessões de gravação de “Load” deram origem a tantos temas que, em 1997, foi lançado um segundo álbum, intitulado “Re-Load”. Estes discos deram origem a uma fenomenal turnê com concertos cuja duração ascendia às duas horas.

Em 1998, os Metallica recolheram diversos lados-B, algumas versões, dois temas dos tempos de “Garage Days Revisited” e decidiram voltar aos estúdios The Plant para gravar 11 versões. Deste trabalho surgiu o disco duplo “Garage Inc.”, um registro repleto de temas elétricos, crus e incrivelmente fascinantes.

Um ano depois Michael Kamen propôs-lhes que colaborassem com a Orquestra Sinfônica de São Francisco, com o intuito de darem uma nova roupagem não só aos seus temas, como também um contributo indelével para o metal. Com dois espetáculos decorridos no Berkeley Community Theatre. Estes concertos tornaram-se marcos épicos na história da banda.

Os Metallica tinham decidido gravar estes espetáculos, sem grandes intenções de futuro. Contudo, tendo em conta a experiência magnífica em causa, optaram por editar, em 1999, estes concertos num CD em formato duplo e também em DVD.

“St. Anger”, de 2003, produzido por Bob Rock. Este registro, o primeiro de originais desde “Re-Load”, de 1997, mostra-nos os Metallica no seu melhor, e apresenta-nos a banda com a sua nova formação, devido à entrada de Rob Trujillo para o baixo.

Curiosamente, o processo de gravação de “St. Anger” decorreu numa altura em que a banda atravessava momentos bem conturbados.

O percurso atribulado que levou a “St. Anger” é bem conhecido e foi sobejamente documentado.

Jason Newsted afastou-se do grupo. James Hetfield internou-se voluntariamente numa clínica de desintoxicação para alcoólicos. A discussão pública contra os downloads na Internet prosseguia. Todos estes fatores conjugados não apresentavam o melhor cenário para a gravação de um novo disco.

Uma parte importante da equação que os Metallica tiveram que resolver, prendeu-se com a saída de Newsted, e a consequente necessidade de encontrar um novo baixista. Foi recrutado Rob Trujillo, membro da banda de Ozzy Osbourne, ex-membro dos Suicidal Tendencies e uma das mentes brilhantes responsáveis pelo fabuloso projeto de culto dos anos ”90 que foram os Infectiuos Grooves.

Os três elementos dos Metallica empatizaram de imediato com Rob Trujillo. Contudo, este baixista já não entrou para a banda a tempo de participar na gravação de “St. Anger”, uma vez que o grupo não estava com pressa para encontrar um novo baixista. Bob Rock, além de ser produtor e co-autor de “St. Anger” foi considerado o quarto elemento da banda e chegou mesmo a acompanhar os Metallica em alguns concertos.

Em 2009 sai o tão aguardado "Death Magnetic", segundo as críticas, um dos melhores álbuns, levando os Metallica a uma intensa tournée de aproximadamente dois anos.


Em 2010 e contra o que muitos esperavam, os Metallica juntaram-se aos Megadeth, Slayer e Anthrax e fizeram uma série de concertos, que ficaram conhecidos como a tour dos “The Big Four”