"Adoro música. Me sinto feliz ouvindo boas canções. Se estou na merda, ponho Tom Waits, Bob Marley ou alguma coisa assim, e funciona como mágica. Nada se compara com o que você sente quando ouve música que te agrada. É um fenômeno único."
(Jason Newsted)

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Fade to Black

Fade to Black foi a primeira balada composta pela banda, e é considerada antecessora de outros hits como One e The Day That Never Comes, músicas similares no som, estrutura e conteúdo. O solo de “Fade to Black” foi rankeado como o 24º melhor solo pelos leitores da revista Guitar World. É uma das mais famosas músicas do Metallica. Em uma entrevista com o baterista Lars Ulrich no set de produção do "MTV Icon: Metallica" em 2003, ele recordou como junto com seu companheiro de banda James Hetfield eram obcecados com a morte a época da gravação do álbum e da composição da música. Ela foi escrita depois que os equipamentos da banda, incluindo um amplificador muito raro, dado ao guitarrista e vocalista James Hetfield pela sua mãe, morta alguns anos atrás, foram roubados em Boston, MA, durante uma turnê no The Channel Club no dia 14 de Janeiro de 1984. O acontecimento obrigou o Metallica a tocar o restante da turnê com equipamentos de amigos e de bandas conhecidas como o Anthrax. No entanto, a letra da música pressupõe um homem contemplando, eventualmente cometido, suicídio. Ela começa com uma introdução lenta em uma guitarra acústica e progressivamente torna-se mais pesada até o fim. Desde que foi lançada, “Fade to Black” tornou-se uma marca registrada das apresentações ao vivo da banda. Foi também a última canção que o Metallica tocou ao vivo junto com seu antigo baixista, Jason Newsted. A última apresentação de Jason como músico do Metallica foi na noite do VH1 Music Awards em 30 de novembro de 2000. A canção também era uma das preferidas de Newsted, que certa vez disse lhe ter um grande valor sentimental, mesmo ela ter sido composta antes dele fazer parte da banda. A banda anterior de Jason Newsted, Flotsam and Jetsam, lançou uma música chamada "Fade To Black" no seu álbum lançado em 1986, Doomsday For The Deceiver antes de Jason entrar no Metallica. No entanto, esta versão nada tem a ver com a versão lançada pelo Metallica.


Fade To Black
Life, it seems, will fade away
Drifting further every day
Getting lost within myself
Nothing matters, no one else

I have lost the will to live
Simply nothing more to give
There is nothing more for me
I Need the end to set me free

Things not what they used to be
Missing one inside of me
Deathly lost, this can't be real
Cannot stand this hell I feel

Emptiness is filling me
To the point of agony
Growing darkness taking dawn
I was me, but now he's gone

No one but me can save myself, but it's too late
Now I can't think, think why I should even try

Yesterday seems as though it never existed
Death greets me warm, now I will just say goodbye

Escurecer

A vida parece desaparecer
Esvaindo-se todos os dias
Me perdendo dentro de mim mesmo
Nada importa, ninguém mais

Eu perdi a vontade de viver
Simplesmente nada mais a oferecer
Não há nada mais para mim
Preciso do fim para me libertar

As coisas não são mais como costumavam ser
Faltando alguém dentro de mim
Mortalmente perdido,isso nao pode ser real
Não posso suportar esse inferno que sinto

O vazio está me preenchendo
Ao ponto da agonia
As trevas crescem tomando a aurora
Eu era eu mesmo, mas agora se foi

Ninguém além de mim pode me salvar, mas já é tarde demais
Agora eu não consigo pensar, pensar por que eu deveria tentar

O ontem parece nunca ter existido
A morte me recebe calorosamente, agora eu vou apenas dizer adeus.

For Whom the Bell Tolls

For Whom the Bell Tolls é a terceira faixa do segundo álbum da banda, Ride the Lightning, e foi composta pelo baixista Cliff Burton, pelo guitarrista e vocalista James Hetfield e pelo baterista Lars Ulrich[1]. Sua letra foi baseada no romance de Ernest Hemingway, For Whom the Bells Toll (Por Quem os Sinos Dobram). A introdução cromática, que é muitas vezes confundido com uma guitarra elétrica, é na realidade o baixo de Cliff Burton tocado através dadistorção e wah-wah. Composta por Burton antes de ingressar no Metallica, a introdução foi tocada pela primeira vez durante uma jam session de 12 minutos numa batalha de bandas com sua primeira banda, Agents of Misfortune. A canção foi usada para os créditos de abertura do filme Zombieland, de 2009. Também apareceu no álbum S&M, de 1999, gravado no Berkley's Community Theatre juntamente com a Orquestra Sinfônica de San Francisco.



For Whom The Bell Tolls
Make his fight on the hill in the early day
Constant chill deep inside
Shouting gun, on they run throught the endless grey
On they fight, for they are right, yes, but who's to say?
For a hill, men would kill, why? They do not know
Suffered wounds test their pride
Men of five, still alive through the raging glow
Gone insane from the pain that they surely know

For whom the bell tolls
Time marches on
For whom the bell tolls

Take a look to the sky just before you die
It is the last time you will
Blackened roar massive roar fills the crumbling sky
Shattered goal fills his soul with a ruthless cry
Stranger now, are his eyes, to this mystery
He hears the silence so loud
Crack of dawn, all is gone except the will to be
Now they see, what will be, blinded eyes to see

For whom the bell tolls
Time marches on
For whom the bell tolls


Por Quem os Sinos Soam

Lutou na montanha no começo do dia
Um constante calafrio interior
Armas barulhentas, na sua corrida pelo cinza infinito
Lutando, porque eles estão certos, sim, mas quem pode dizer?
Por uma montanha homens matariam, por quê? Eles não sabem
Feridas doloridas testam o seu orgulho
Homens de cinco, ainda vivos pelo brilho furioso
Ficando loucos pela dor que eles com certeza conhecem

Por quem os sinos soam
O tempo marcha
Por quem os sinos soam

Dê uma olhada para o céu antes de morrer
É a última vez que você o fará
Rugido negro, rugido massivo enche o céu que despenca
Objetivos quebrados enchem sua alma com um grito implacável
Estranhos agora, são seus olhos, a este mistério
Ele ouve o silêncio tão alto
Romper da madrugada, tudo se foi exceto a vontade de existir
Agora eles verão, o que haverá, olhos cegos para ver

Por quem os sinos soam
O tempo marcha
Por quem os sinos soam